O que a sustentabilidade tem a ver com o coaching de equipes?
  • Dr. Gustavo Guzmán

O que a sustentabilidade tem a ver com o coaching de equipes?

Por ocasião da edição em português do livro "Manual de coaching de equipes", de Horacio Cortese, tive a honra de revisá-lo a pedido dele. Eu me encontrei novamente com o prólogo impecável que a Dra. Isabel Rimanoczy fez na época e lê-lo novamente me deu a mesma sensação de quando fiz isso há muito tempo, senti o que realmente significa trabalhar em equipe, uma tarefa que envolve o mundo inteiro e está intimamente ligada ao bem-estar da humanidade. Eu entendi que era necessário compartilhar até mesmo uma parte, já que é mais extenso, onde ela se concentra na relação entre sustentabilidade e coaching de equipe. Espero que você goste disso como eu fiz.


Dra. Isabel Rimanoczy

Professora de Sustainability Mindset em Nova Southeastern University e sócia de LIM LLC, uma consultora internacional de desenvolvimento de equipes.

A sustentabilidade não é uma disciplina tangencial, objeto de estudo de ecologistas e cientistas climáticos. A sustentabilidade é uma meta que compreende o ecossistema: a natureza, o clima e todos os recursos naturais, nos quais se baseiam nossas vidas, e as pessoas. Abrange as empresas, os negócios, a saúde e também a paz social. Não existe um único produto ou serviço que não exija a natureza. Não temos um ecossistema, senão que fazemos parte dele.

As organizações são estruturas avançadas que podem alcançar resultados complexos efetivamente. São fonte de empregos, ocupam cerca de 40% do tempo das pessoas e às vezes até mais; são geradoras de inovação, de produtos e serviços e criam a cultura de consumo. Usam recursos naturais, prestam serviços para a sociedade, promovem valores, educam, informam, influenciam as leis e movimentam capitais. As organizações transnacionais foram consideradas mais poderosas e influentes no destino da humanidade do que os governos individuais, uma vez que transcendem todas as fronteiras. As pequenas e médias empresas são as chaves para o crescimento e o bem-estar econômico e social. Os pequenos empreendimentos geram autossuficiência, estabilidade econômica, trabalho e inovação. As organizações governamentais e filantrópicas atendem às necessidades básicas da humanidade. As grandes ou pequenas organizações, reúnem pessoas que seguem uma visão e trabalham em busca de objetivos para oferecer serviços.

Em minha pesquisa sobre os aspectos que fazem as organizações agirem de forma socialmente e ambientalmente responsável, revendo valores evidentes em suas decisões, encontrei que a colaboração entre as pessoas excedeu o comportamento competitivo ou de rivalidade. A finalidade comum ligada a uma meta nobre, como a redução das marcas ecológicas, tem um impacto positivo na comunidade. Funciona como agregador e permite minimizar as diferenças individuais, em busca de um objetivo comum de valor moral e até espiritual.

As pessoas chegam a conclusão que possuem algo em comum, que acaba sendo inspirador e motivador: seu trabalho adquire um propósito nobre. Conscientes de que os desafios são muito grandes para serem abordados individualmente, as organizações líderes em sustentabilidade estabelecem mecanismos colaborativos para repensar suas tarefas de acordo com o objetivo da sustentabilidade. As práticas de escuta ativa, o diálogo, a integração dos estilos de personalidade torna-se mecanismos fundamentais para o trabalho colaborativo. A participação individual dá força às iniciativas, cada pessoa pode ter um papel ativo no momento de experimentar a interdependência.

Estas são as habilidades e atitudes que um coach de equipes pode ajudar a desenvolver.

Os desafios são muito grandes e como dizia em um cartaz, em uma recente manifestação, em Manhattan: “Se tudo deve ser mudado, precisamos de todos e de cada um”.




Av. Raja Gabaglia 240

30441-070, Belo Horizonte-MG

ghgcoach@gmail.com

Tel: +55 31 995-657-846

© 2017 de GHG-Coach.